LER DE LONGE. RETÓRICA DA DISTÂNCIA E DA SUBSTITUIÇÃO EM O MANDARIM DE EÇA DE QUEIRÓS

GONÇALO CORDEIRO

Resumen


Este ensaio considera a importância da confluência entre o elemento fantástico em torno do topos “tuer le mandarin” e a problemática representação da China na narrativa O Mandarim, de Eça de Queirós. O ângulo de enfoque centra-se na figuração do livro dentro da narrativa, sua leitura e escrita, e no modo como uma retórica da distância e da substituição contribui para uma visão mediada e artificializante do Oriente.

Palabras clave


Distância; Substituição; Livro; Leitura; Oriente

Texto completo: HTML (English)

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.
RCUB revistesub@ub.edu Avís Legal RCUB Universitat de Barcelona