Da Europa para a América: a trajetória do Movimento Olímpico brasileiro

Katia Rubio

Resumen


Originados como um ritual em homenagem a Zeus, os Jogos Olímpicos foram recriado no final do século XIX e enfrentaram diversas dificuldades de estabelecimento até conquistar a condição de um dos principais fenômenos socioculturais contemporâneos. Atravessou o século XX acompanhando par e passo a dinâmica social e os interesses comerciais e políticos que foram sendo acoplados direta ou indiretamente ao universo esportivo. Nascido e desenvolvido na Europa foi conquistando adesões em todos os continentes. Os atletas contemporâneos, que em princípio tiveram sua condição social e identidade associadas a amadores, amantes da prática esportiva e representantes de um grupo social que se dedicava exclusivamente às realizações atléticas, viram esse papel ser alterado em função das transformações às quais os Jogos Olímpicos foram submetidos. O objetivo desse trabalho é apresentar a dinâmica do desenvolvimento do esporte e do movimento olímpico moderno e sua chegada ao continente americano, mais precisamente ao Brasil. Nesse processo fica evidenciado que mais que uma prática lúdica e amadora a implantação e desenvolvimento tanto do esporte como do movimento olímpico tiveram um caráter político e comercial que foi ampliado ao longo de seus 108 anos de existência.

Palabras clave


Jogos Olímpicos; Brasil; esporte

Texto completo:

HTML


DOI: https://doi.org/10.1344/sn2005.9.910

Copyright (c)

RCUB revistesub@ub.edu Avís Legal RCUB Universitat de Barcelona