1276.Problemas socioambientais causados pelas chuvas em cidades da região metropolitana de Maceió (Brasil)

Melchior do Nascimento

Resumen


Os problemas urbanos decorrentes das precipitações pluviométricas têm atingido alguns municípios que integram a Região Metropolitana de Maceió – RMM, afetando ainda mais a qualidade de vida da população. Este estudo teve como finalidade principal avaliar a vulnerabilidade socioambiental junto aos problemas relacionados aos deslizamentos de terra, enchentes e inundações. Para tanto, o uso das geotecnologias foi essencial para a integração espacial das diferentes variáveis temáticas. De maneira geral, as populações residentes nas áreas vulneráveis aos problemas de deslizamento de terra, enchente e inundação encontram-se relativamente fragilizadas sob o ponto de vista social. Por sua vez, a combinação entre os fatores fisiográficos permitiu identificar que em torno de 44,12% da área de estudo possuem entre média, alta e muito alta vulnerabilidade físico-ambiental ao deslizamento de terra. No caso das áreas vulneráveis à enchente/inundação, em torno de 74,17% da totalidade da área possuem entre muito baixa e baixa vulnerabilidade.

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias


ANDRADE, M. C. Usinas e Destilarias em Alagoas. Maceió: EDUFAL, 2. ed., v. 1, 140 p. 2010.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, Santa Maria-RS, 103 p. 2001.

GAMBA, C.; RIBEIRO, W. C. Indicador e Avaliação da Vulnerabilidade Socioambiental no municipio de São Paulo. GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, n. 31, Especial, pp. 19 - 31, 2012.

HOGAN, D. J.; CUNHA, J. M. P.; CARMO, R. L.; OLIVEIRA, A. B. Urbanização e vulnerabilidade sócio-ambiental: o caso de Campinas. In: (orgs.) Migração e ambiente nas aglomerações urbanas. Campinas: NEPO/UNICAMP, p.397-418. 2001.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Setores Censitários do estado de Alagoas, 2010. IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da Vulnerabilidade Social dos Municípios Brasileiros. Brasília-DF, 77p. 2015.

LIMA, A. A. A crise que vem do verde da cana: uma interpretação da crise financeira do Estado de Alagoas no período 1988-96. Maceió: Edufal, Série Apontamentos, 30, 1998. 74 p.

MEDEIROS, M. D.; PEREIRA, V. H. C.; ALMEIDA, L. Q. Áreas de Vulnerabilidade Ambiental na zona oeste de Natal/ RN/ Brasil. Revista Geonorte, Edição Especial, v. 1, n. 4, p.474 – 486, 2012.

NOU, E.A.V.; BEZERRA, L.M.M.; DANTAS, M. Geomorfologia. In: Brasil, Ministério das Minas e Energia, Secretaria Geral, Projeto Radambrasil. Folhas SC. 24/25 Aracaju/Recife. Rio de Janeiro: DIPUB/RADAMBRASIL, 1983. p. 347-443 (Série: LRN. V. 30).

RESENDE, M.; NILTON, C. REZENDE, S. B.; CORRÊA, G. F. Pedologia: base para distinção de ambientes. Viçosa: NEPUT, 4 ed, 338 p. 2002. ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. São Paulo: Contexto, 2. ed. 85 p., 1991.

SILVEIRA, A. F.; BUENO, L. M. M. Sustentabilidade e Vivências em uma Bacia Hidrográfica Urbana: resultados de intervenções recentes, Campinas/SP, Brasil. Encuentro de Geógrafos de América Latina, Perú, p. 1-18, 2013.

TROPPMAIR, H. A. Metodologia simples para pesquisar o meio ambiente. Rio Claro: 1988, 232 p.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Biblio3W Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
RCUB revistesub@ub.edu Avís Legal RCUB Universitat de Barcelona