A base social do Estado penal

Antonio Dores

Resumen


A partir de uma interpretação de luta de classes – estado penal como forma neoliberal de controlar o precariato – Loïc Wacquant evoluiu para uma teoria antropológica do estado: estado com uma mão direita penal e uma mão esquerda socio-educativa.
Revendo as críticas ao modo como as teorias sociais têm entendido (mal) o que é a sociedade, ao ler Loïc Wacquant, percebe-se que o autor, ao mesmo tempo, procura desenvencilhar-se dos problemas identificados e não consegue libertar-se deles completamente.
Para um dia se pode avaliar os riscos de novos Holocaustos, como e porquê as práticas ancestrais de sacrifícios humanos continuam a ser praticadas em sociedades modernas, recomenda-se neste artigo completar as análises sociais de poder com análises sobre as condições existenciais de vida e as lutas pela construção de identidades; compreender de que modo as identidades usadas pelo poder reclamam identidades degradadas, como duas faces da mesma moeda. Compreender como os sentimentos de confiança e de vingança se opõem e se relacionam entre si.

Texto completo:

PDF

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


OSPDH - Universidad de Barcelona - Av. Diagonal , 684 Despacho 1, Aula 23, 08034 - Barcelona Telf.: +34 934039672 Fax.: +34 934021067

Si no se indica lo contrario, todos los contenidos de esta revista están bajo licencia Licencia Creative Commons

RCUB revistesub@ub.edu Avís Legal RCUB Universitat de Barcelona