Engenharia social de Popper: uma possibilidade para reformas políticas nas sociedades democráticas, caso de Moçambique

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.1344/oxi.2022.i19.35012

Palabras clave:

Engenharia Social, Reformas Políticas, Liberdade, desenvolvimento

Resumen

A compreensão de liberdade, igualdade e desenvolvimento socioeconómico e político, passa de uma democracia consolidada. Este artigo procura analisar a engenharia social de Popper e mostrar como esta constitui uma possibilidade de reformas políticas nas sociedades democráticas, olhando para o caso de Moçambique. Através do método bibliográfico, os resultados deste estudo mostram que a democracia em Moçambique precisa de um aperfeiçoamento que vai desde a liberalização da democracia, as instituições que se fundam nos substratos culturais e na justiça social. E, a separação dos poderes: executivos, legislativo e judiciário é um elemento crucial nessa abordagem, bem como o debate crítico intersubjectivo e planeamento gradual.

Biografía del autor/a

Nito Luis Magesso, Universidade Eduardo Mondlane

Universidade Eduardo Mondlane, Faculdade de Letras e Ciências Sociais, Centro de Análise de Políticas 

Citas

Bobbio, N. (1984). Dicionário de Politica. Carmen C. Varriale, Gaetano Lo Mônaco, João Ferreira, Luís Guerreiro Pinto Cacais e Renzo Dinia (Trad.). 11.ed., São Paulo: UnB.

Bobbio, N. (1992). Liberalismo e democracia. Marco Aurélio Nogueira (Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Espada, J. C. (2008). Análise social, a sociedade aberta e o neoliberalismo. Disponível.em:http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223301831F6yXQ4cz3Tp19ZD5.pdf

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Fukuyama, F. (1992). O fim da História e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco.

Harbermas, J. (1990). Pensamento pós- metafisico. São Paulo: Tempo Brasileiro.

Mazula, B. (2006). Na esteira da academia: razão, democracia e educação. Maputo: Textos editors.

Morin, E. (1989). O método II: vida da vida. Maria Gabriela de Bragança (trad.). 2. ed., Portugal: Publicações Europa América.

Montesquieu, C.-L. de S. (1993). O espírito das leis. São Paulo: Abril Cultural.

Mingues, S. (2000). Filosofia da Linguagem: uma introdução. Porto: Faculdade de letras da Universidade de Porto.

Nyasani, J. M. (2010). Philosophy of Development: An African perspective- reflections on why Africa may never develop on the Western model. Nairobi: Consolata Institute of Philosophy.

Ngoenha, S. (2004). Os tempos da filosofia. Maputo: Imprensa universitária.

Ngoenha, S. (2014). Das independências as liberdades. Maputo: Paulinas.

Ilungu, P.E.A (1998). Tradition africaine et rationalité Moderne. Paris: LʼHermattan.

Touraine, A. (2008). Crítica da Modernidade. Petrópolis: Vozes.

Popper, K. (1974). A sociedade aberta e seus inimigos. Milton Amado (Trad.). São Paulo: Belo Horizonte.

Popper, K. (1945). Lógica da Investigação Científica. São Paulo, Abril Cultural (Colecção Os pensadores).

Popper, K. (1982). Conjecturas e refutações. Brasília: Editora da UnB.

Poppper, K. (1957). A Miséria do Historicismo. São Paulo: Cultrix.

Popper, K. (1993). O racionalismo crítico na política. Maria da Conceição (Trad.). 2. ed., Brasília: Côrte-Real.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. Laura Teixeira Motta (trad.), São Paulo: Schwarcz, Ltd.

Rousseau, J.-J. (1999). O contracto Social. António de P. Machado (Trad.). 19. Ed., Rio de Janeiro: Itabuna.

Rawls, J. (2000). Uma teoria de justiça. Almiro Pisetta e Lenita M. R. Esteves (Trad.), São Paulo: Martins fontes.

Publicado

2021-07-05

Número

Sección

Artículos