Urbanidades de uma universidade pública e inclusiva. A implantação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP (Universidade de São Paulo/ Brasil) na Zona Leste de São Paulo (região ‘periférica’): lições e aprendizados.

Marcos Bernardino de Carvalho, Diamantino Alves Pereira

Resumen


A implantação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), a mais nova unidade da Universidade de São Paulo (USP), na Zona Leste da capital paulista, tem caráter eminentemente urbanizador com marcante influência no entorno físico imediato e no próprio âmbito acadêmico em que se insere. Tal caráter apresenta potencial de se transformar em foco indutor de “urbanidades”, pois, além de influenciar e promover a expansão física de equipamentos tipicamente urbanos, direciona-se também para o estabelecimento de uma relação crescente com a comunidade da região, através dos projetos de pesquisa e de extensão implementados pelos docentes e discentes da nova Escola. De maneira mais ampla, tais “urbanidades” evidenciam-se também pelo fato de que a nova unidade contribui para alterar o perfil dos estudantes da própria universidade como um todo, além de inovar no oferecimento de cursos específicos, apoiados por projeto didático-pedagógico arrojado e inclusivo.

Palabras clave


urbanidades; USP; inclusão; Zona Leste; São Paulo

Texto completo:

HTML (Português)


Copyright (c)

RCUB RCUB Declaració ètica Avís Legal Centre de Recursos per a l'Aprenentatge i la Investigació Universitat de Barcelona