A nova geografia da natureza: dos valores afetivos e simbólicos à universalização dos valores técnicos

Fabrício Pedroso Bauab

Resumen


A transição interpretativa e de utilização da natureza efetuada pelo advento da ciência moderna bem como a possibilidade, gerada no movimento de consolidação dessa, de suplantação dos antigos mitos surgida pela negação das transposições do sujeito para o mundo natural, buscada por Galileu e Francis Bacon em Demócrito, que possibilitou a apreensão e reprodução dos ritmos da natureza nas máquinas, nas técnicas, que, atualmente, habitam o corpo do mundo, intencionalizando-o no sentido de (re)produção do capital. Diante disso, temos, nesse processo de busca de apropriação dos objetos naturais pelo espírito, um papel preponderante do trabalho, evolutivamente atrelado à formação da consciência e a própria recriação da natureza enquanto força produtiva, cujas conseqüências se fazem atreladas à atual crise ambiental.

Palabras clave


natureza; técnica; espaço/tempo; trabalho

Texto completo:

HTML (Português)


Copyright (c)

RCUB RCUB Declaració ètica Avís Legal Centre de Recursos per a l'Aprenentatge i la Investigació Universitat de Barcelona