Ambientes topográficos da escola pública. Significações imaginárias patrimonialistas

Evson Malaquias de Moraes Santos

Resumen


Investigamos as significações imaginárias sociais dos ambientes/locais de duas escolas publicas com a finalidade de compreendermos os usos e sentidos de inclusão e exclusão social efetivados por aqueles que as fazem no cotidiano. Pois, os locais/ambientes não são apenas produtos da racionalização humana, mas criação imaginária do sócio-histórico de determinada cultura de um povo. Os usos desses ambientes por todos aqueles que fazem a escola (professor, direção, alunos e funcionários), aparentemente, demonstram, relações democráticas e cordiais. Mas, o que prevalecem são práticas e sentidos hierarquizados, que definem, em certos momentos, o lugar de cada um. Efetivamos a etnografia durante 1 ano, levando em consideração a gestão da escola: um diretor eleito pela comunidade escolar, e a outra, o diretor foi indicado pela hierarquia da Secretaria de Educação de Pernambuco.

Palabras clave


ambientes; escolas públicas; imaginário; patrimonialismo patriarcal

Texto completo:

HTML (Português)


Copyright (c)

RCUB RCUB Declaració ètica Avís Legal Centre de Recursos per a l'Aprenentatge i la Investigació Universitat de Barcelona