A regulamentação do procedimento de esterilização voluntária no Brasil e na Espanha

Fernanda Grasselli Freitas, Gerson Pinto

Resumen


A saúde sexual e reprodutiva é um direito humano fundamental que se concretiza através dos Direitos Sexuais e Reprodutivos, e a esterilização voluntária é um método contraceptivo importante para a promoção do exercício desses direitos. Enquanto no Brasil, o legislador optou pela imposição de limites para sua realização, na Espanha, o regramento promoveu a igualdade entre as pessoas, respeitando a autodeterminação corporal, especialmente das mulheres. A partir desse panorama, pretende-se identificar e compreender quais fundamentos justificam (ou não) a imposição de limites para o acesso ao procedimento. Para esse fim, utilizar-se-ão as contribuições jus-filosóficas dos autores Ronald Dworkin e Jürgen Habermas, traçando um paralelo com o regramento espanhol sobre o tema.


Palabras clave


Autodeterminação corporal; bioética; direitos sexuais e reprodutivos; esterilização voluntári; igualdade

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias


BOTTEGA, Clarissa. Liberdade de não procriar e esterilização humana. Revista Jurídica da Universidade de Cuiabá, Cuiabá, v. 9, n. 2, p. 43-64. jul/dez. 2007. Disponível em: <http://www.clarissabottega.com/Arquivos/Artigos/Revista_Jur_v_9_n_2_jul_dez_2007_p_43_64.pdf>. Acesso em: 11 maio 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 20 abr. 2018.

______. Decreto n° 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, e revoga o Decreto no 89.460, de 20 de março de 1984. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm>. Acesso em: 19 maio 2018.

______. Decreto n° 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99710.htm>. Acesso em: 19 maio 2018.

______. Lei n° 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9263.htm>. Acesso em: 12 maio 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Ação direta de inconstitucionalidade 5.097/DF. Requerente: Associação Nacional de Defensores Públicos (ANADEP). Interessados: Presidente da República; Congresso Nacional. Relator: Ministro Celso de Mello. Brasília, DF, 24 de setembro de 2015. Disponível em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP= TP&docID=9488845&prcID=4542708&ad=s#>. Acesso em: 20 abr. 2018.

DÍAZ DE TERÁN, M. The Incidence of Biomedical Advances in Women. Some Reflections on the Spanish Legislation. Cuadernos de Bioetica: Revista Oficial de la Asociacion Espanola de Bioetica y Etica Medica, Spain, v. 26, n. 87, p. 311-323, mayo 2015.

DURAND, Anne-Aël. Apogée et déclin de la pilule, tabou de la stérilisation: 50 ans de contraception en France. Le Monde, France, 19 déc. 2017. Disponível em: <http://www.lemonde.fr/les-decodeurs/article/2017/12/19/apogee-et-declin-de-la-pilule-tabou-de-la-sterilisation-50-ans-de-contraception-en-france_5231727_4355770.html>. Acesso em: 12 mar. 2018.

DWORKIN, Ronald. A virtude soberana: a teoria e prática da igualdade. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

______. O domínio da vida: aborto, eutanásia e liberdades individuais. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ESPANHA. Ley 41/2002, de 14 de noviembre de 2002. Básica reguladora de la autonomía del paciente y de derechos y obligaciones en materia de información y documentación clínica. Disponível em: <https://www.boe.es/buscar/ pdf/2002/BOE-A-2002-22188-consolidado.pdf>. Acesso em: 17 mayo 2018.

______. Ley Orgánica 10/1995, de 23 de noviembre de 1995. Del Código Penal. Disponível em: <http://www.boe.es/buscar/act.php?id=BOE-A-1995-25444>. Acesso em: 17 mayo 2018.

______. Ley Orgánica 2/2010, de 3 de marzo de 2010. De salud sexual y reproductiva y de la interrupción voluntaria del embarazo. Disponível em: <https://www.boe.es/buscar/act.php? id=BOE-A-2010-3514>. Acesso em: 17 mayo 2018.

GIERING, Maria Eduarda; ALVES, Mara da Rosa; MELLO, Vera Helena Dentee (Org.). Leitura e produção de artigo acadêmico-científico. São Paulo: Unisinos, 2010.

HABERMAS, Jürgen. L’avenir de la nature humaine: vers um eugénisme liberal?. Mesnil-sur-l’Estrée: Gallimard, 2002.

PATRIOTA, Tania. Relatório da conferência internacional sobre população e desenvolvimento: plataforma de Cairo. Disponível em: <http://www.unfpa.org.br/Arquivos/relatorio-cairo.pdf>. Acesso em 19 maio 2018.

SARDON, Jean Paul. La stérilisation dans le monde: I - aperçus médicaux et législatifs. Population, [S.l.], année 32ᵉ, n. 2, p. 411-437, 1977. Disponível em: <www.persee.fr/doc/pop_0032-4663_1977_num_32_2_16527>. Acesso em: 19 maio 2018.

TÉRAN, Maricruz Díaz de. Incidencia de los avances biomédicos en la mujer. Cuadernos de Bioética. Año XXVI, 2015/2ª.

USERA, Raúl Canosa. UNED. UNED. Revista de Derecho Político N.º 100. La Protección De La Integridad Personal, p. 257-310, sept-dic 2017.

VIOTTI, Maria Luiza Ribeiro. Apresentação. In: DECLARAÇÃO e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. Pequim, 1995. p. 148-150. Disponível em: <http://unfpa.org.br/Arquivos/declaracao_beijing.pdf>. Acesso em: 19 maio 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Ensuring human rights in the provision of contraceptive information and services: guidance and recommendations. Geneva: WHO Press, 2014. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/102539/1/9789241506748_ eng.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2018.

______. Eliminating forced, coercive and otherwise involuntary sterilization: an interagency statement OHCHR, UN Women, UNAIDS, UNDP, UNFPA, UNICEF, and WHO. Geneva: WHO Press, 2014a. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/112848/1/9789241507 325_ eng.pdf>. Acesso em: 18 maio 2018.




DOI: https://doi.org/10.1344/rbd2019.0.27020

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Fernanda Grasselli Freitas

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

© 2004-2019 Máster en Bioética y Derecho - Observatori de Bioètica i Dret - Cátedra UNESCO de Bioética - Universitat de Barcelona

RCUB revistesub@ub.edu Avís Legal RCUB Universitat de Barcelona