O Papel da Remuneração na Decisão de Participar de Pesquisa na Saúde

Autores/as

  • Priscila Goergen Brust-Renck Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) https://orcid.org/0000-0001-9891-510X
  • Ana Carolina Mello Pechansky Centro de Estudos Atendimento e Pesquisa da Infância e da Adolescência (CEAPIA)
  • Roberta Bristot Silvestrin Escola da Saúde, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Centro de Ciências da Saúde, Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG) https://orcid.org/0000-0003-4467-1431
  • Lucas França Garcia Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Centro Universitário de Maringá (UniCesumar) http://orcid.org/0000-0002-5815-6150
  • Bruna Pasqualini Genro Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) https://orcid.org/0000-0002-2559-7777
  • José Roberto Goldim Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul http://orcid.org/0000-0003-2127-6594

DOI:

https://doi.org/10.1344/rbd2020.50.29147

Palabras clave:

bioética, consentimento livre e esclarecido, remuneração, influência, ética em pesquisa, ensaio clínico

Resumen

O processo de consentimento informado para participação de pesquisa com seres humanos visa fornecer as informações adequadas ao indivíduo possibilitando que este tome a decisão de participar de maneira voluntária, livre de pressões externas. A possibilidade de remuneração poderia interferir na voluntariedade deste processo de consentir. O presente estudo objetivou avaliar percepção de influência da remuneração monetária por meio de simulações de pesquisa que variam em nível de risco (Bioequivalência e de Fase I) e tipo de remuneração monetária (com e sem). Participaram do estudo 80 voluntários. Os resultados sugerem que a remuneração não constituiu uma interferência na voluntariedade do processo de consentimento, visto que participantes aceitaram convite para participar da primeira pesquisa para a qual foram convidados e não se sentiram influenciados indevidamente.

Biografía del autor/a

Priscila Goergen Brust-Renck, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Professor, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, Brasil

Doutora em Psicologia do Desenvolvimento

Ana Carolina Mello Pechansky, Centro de Estudos Atendimento e Pesquisa da Infância e da Adolescência (CEAPIA)

Psicóloga clínica, estudante de especialização em psicoterapia da infância e da adolescência, Centro de Estudos Atendimento e Pesquisa da Infância e da Adolescência (CEAPIA)

Roberta Bristot Silvestrin, Escola da Saúde, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Centro de Ciências da Saúde, Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)

Professor, Escola da Saúde, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, Brasil

Professor, Centro de Ciências da Saúde, Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG), Caxias do Sul, RS, Brasil

Doutora em Neurociências

Lucas França Garcia, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Centro Universitário de Maringá (UniCesumar)

Professor, Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Centro Universitário de Maringá (UniCesumar), Maringá, PR, Brasil

Doutor em Ciências Médicas

Bruna Pasqualini Genro, Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA)

Assistente Bioética, Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutora em Ciências Médicas

José Roberto Goldim, Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Chefe, Serviço de Bioética e Laboratório de Pesquisa em Bioética e Ética na Ciência (LAPEBEC) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA)

Professor, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor, Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Doutor em Medicina

Citas

1. Conselho Federal de Medicina. Resolução no. 671/75 de 18 de julho de 1975. Brasília, DF: Conselho Federal de Medicina; 1975.

2. World Medical Association. Declaration of Helsinki: ethical principles for medical research involving human subjects. Helsinki, Finlândia: World Medical Association; 1964.

3. Goldim JR. Bioética e pesquisa no Brasil. In: Kipper DJ, editor. Ética: teoria e prática: uma visão multidisciplinar. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2006. p. 17–28.

4. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 01/88 de 13 de junho de 1988. Brasília, DF: Conselho Nacional da Saúde; 1988.

5. Faden RR, Beauchamp TL. A history and theory of informed consent. New York, NY: Oxford University Press; 1986.

6. Goldim JR. Bioética complexa: Uma abordagem abrangente para o processo de tomada de decisão. Rev da AMRIGS. 2009;53(1):58–63.

7. Goldim JR. A participação em projetos de pesquisa em saúde: remuneração, ressarcimento ou gratuidade. Rev Gaúcha Enferm. 2013 Jun;34(2):8–9.

8. English DC. Bioethics: A clinical guide for medical students. New York, NY: W.W. Norton; 1994.

9. Brasil, Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 11 e 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF: Conselho Nacional de Saúde; 2012.

10. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Conceitos técnicos. Brasília, DF: ANVISA; 2018.

11. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Pesquisa clínica. Brasília: ANVISA; 2018.

12. Grady C. Payment of clinical research subjects. J Clin Invest. 2005 Jul 1;115(7):1681–7.

13. Largent EA, Lynch HF. Paying Research participants: the outsized influence of “undue influence”. IRB. 2017;39(4):1–9.

14. McNeill P. Paying people to participate in research: why not? Bioethics. 1997 Oct;11(5):390–6.

15. Wilkinson M, Moore A. Inducement in research. Bioethics. 1997 Oct;11(5):373–89.

16. Human Research Protections Program. Standard operating procedures for the human research protection program. Washington, D.C.: Human Research Protections Program; 2016.

17. Dominguez D, Jawara M, Martino N, Sinaii N, Grady C. Commonly performed procedures in clinical research: a benchmark for payment. Contemp Clin Trials. 2012 Sep;33(5):860–8.

18. Food and Drug Administration. Payment to research subjects information sheet, guidance for institutional review boards and clinical investigators. Washington, D.C.: Food and Drug Administration; 2015.

19. Stunkel L, Grady C. More than the money: a review of the literature examining healthy volunteer motivations. Contemp Clin Trials. 2011 May;32(3):342–52.

20. Chen SC, Sinaii N, Bedarida G, Gregorio MA, Emanuel E, Grady C. Phase 1 healthy volunteer willingness to participate and enrollment preferences. Clin Trials J Soc Clin Trials. 2017 Oct 2;14(5):537–46.

21. Grady C, Bedarida G, Sinaii N, Gregorio MA, Emanuel EJ. Motivations, enrollment decisions, and socio-demographic characteristics of healthy volunteers in phase 1 research. Clin Trials J Soc Clin Trials. 2017 Oct 8;14(5):526–36.

22. Largent EA, Emanuel EJ, Lynch HF. Filthy Lucre or Fitting Offer? Understanding Worries About Payments to Research Participants. Am J Bioeth [Internet]. 2019;19(9):1–4. Available from: https://doi.org/10.1080/15265161.2019.1631076

23. Fernandez Lynch H, Joffe S. Pay-to-Participate Trials and Vulnerabilities in Research Ethics Oversight. JAMA [Internet]. 2019 Sep 23;322(9):813. Available from: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2752236

24. Largent EA, Lynch HF. Paying research participants: regulatory uncertainty, conceptual confusion, and a path forward. Yale J Health Policy Law Ethics. 2018;17(1):61–141.

25. Gelinas L, Largent EA, Cohen IG, Kornetsky S, Bierer BE, Lynch HF. A framework for ethical payment to research participants. N Engl J Med. 2018 Feb 22;378(8):766–71.

26. Dickert N, Emanuel E, Grady C. Paying research subjects: an analysis of current policies. Ann Intern Med. 2002 Mar 5;136(5):368–73.

27. Williams B, Entwistle V, Haddow G, Wells M. Promoting research participation: why not advertise altruism? Soc Sci Med. 2008 Apr;66(7):1451–6.

28. Gardner W, Hoge SK, Bennett N, Roth LH, Lidz CW, Monahan J, et al. Two scales for measuring patients’ perceptions for coercion during mental hospital admission. Behav Sci Law. 1993;11(3):307–21.

29. Protas JS, Bittencourt VC, Wollmann L, Moreira CA, Fernandes CF, Fernandes MS, et al. Avaliação da percepção de coerção no processo de consentimento. Rev HCPA. 2007;27(1):172.

30. Taborda JG, Baptista JP, Gomes DA., Nogueira L, Chaves MLF. Perception of coercion in psychiatric and nonpsychiatric (medical and surgical) inpatients. Int J Law Psychiatry. 2004 Mar;27(2):179–92.

31. Mulroney SE, Myers AK. Netter bases da fisiologia. Rio de Janeiro: Elsevier Ltd; 2009.

32. Costa DT, Martins MCF. Estresse em profissionais de enfermagem: impacto do conflito no grupo e do poder do médico. Rev da Esc Enferm da USP. 2011 Oct;45(5):1191–8.

33. Malmqvist E. “Paid to endure”: paid research participation, passivity, and the goods of work. Am J Bioeth. 2019 Aug;19(9);11-20.

34. Millum J, Garnett, M. How payment for research participation can be coercive. Am J Bioeth. 2019 Aug;19(9);21-31.

35. Bernstein M. Payment of research subjects involved in clinical trials is unethical. J Neurooncol. 2003 Jul;63(3):223–4.

Publicado

2020-07-29

Número

Sección

Sección General