Questões éticas em xenotransplantação: fundamentos e orientações jurídicas

Autores/as

  • Ramiro Délio Borges de Meneses

DOI:

https://doi.org/10.1344/rbd2010.19.7712

Palabras clave:

Xenotransplantação, Órgãos, Animais, Risco/Benefício, Questões Éticas

Resumen

Nas últimas décadas, tem vindo a aumentar o interesse científico na possibilidade de transplantar células, tecidos e órgãos de origem animal para recipientes humanos. Os avanços nas técnicas cirúrgicas, na preservação de órgãos e no desenvolvimento de imussupressores efectivos permitiram que a alotransplantação se tornasse um meio de tratamento estabelecido e importante em casos de insuficiência orgânica (4). No entanto, a necessidade actual de órgãos humanos excede largamente a sua disponibilidade, apesar dos esforços evidentes de encorajamento à sua doação. Estima-se que metade dos potenciais recipientes morre enquanto espera pelo seu transplante (19). Desta forma, a escassez de órgãos humanos aliada ao avanço tecno-farmacológico destacam a xenotransplantação como um meio de tratamento ilimitado e mundialmente disponível que poderia reverter a actual crise de órgãos.

Publicado

2010-09-23

Número

Sección

Sección General